Hora de voltar.

Hoje eu resolvi voltar a desenhar. Faz um tempo que falo que quero fazer isso, o problema é que só falo. Hoje me deu na telha de passar na papelaria e comprar uma caderneta sem pauta. Comecei a desenhar, e vou fazer um daqueles desafios de “One Sketch a Day”, a caderneta tem 99 folhas; isso significa que eu tenho 99 dias pra tomar vergonha na cara e parar de só falar. As coisas fluem tão melhor quando não falamos o que vamos fazer e só fazemos. Nem tudo precisa de anunciação.

A gente se acostuma a falar que vamos fazer as coisas que essas sentenças “Eu vou começar…” ou “Eu vou voltar a…” viram um mantra. E ele é o único mantra num CD que tá furado de tanta repetição.

Eu, particularmente, queria voltar à tanta coisa que nem uma máquina de tempo e relatividade da dimensão e espaço me seria suficiente.

Com isso voltamos ao problema que só age da boca pra fora. E cá estou eu, escrevendo sobre isso.  Por que que em vez de eu passar o sábado fazendo maratona de Friends no netflix, eu não ilustro alguma coisa? Por que não leio aquele livro que tá encostado na cabeceira há meses? Por que eu não recupero o tempo perdido e começo a estudar pro concurso? Por que eu não paro gastar meu dinheiro e guardo pra fazer aquela viagem no final do ano? O pior é que as respostas são tão simples que pareço ainda mais preguiçosa.

O ócio virou meu amigo. Ano passado eu não tinha absolutamente nada pra fazer de tarde a não ser estudar e arrumar a casa, convenhamos que não são coisas muito animadoras. E eu já estava tão cansada das matérias da escola, do estresse que me consumia durante os trabalhos, que eu simplesmente largava de mão ficava mexendo no computador ou até mesmo lendo uns livros (que pareciam não terminar nunca).

A hora de voltar chegou com tudo esse ano, Amém! Quando você sai de casa às 6:00a.m e chega às 19:30p.m você aprende a valorizar o tempo precioso que lhe resta. Eu leio no ônibus, na fila kilométrica pra comprar a passagem do metrô, no estágio quando eu tenho tempo sobrando. Faço minhas tarefas e trabalhos no estágio, que é bem tranquilo. Em casa eu termino os meus trabalhos e estudo pro concurso. É cansativo? Com certeza, mas foi o começo de ano mais tranquilo que tive em muito tempo. Estranho esse ser humano que só fica satisfeito e em paz quando está fazendo tudo ao mesmo tempo.

Moral da história: se você cansou de ficar assistindo How I Met Your Mother pela terceira vez, arrume alguma coisa pra fazer, mas arrume algo que exija seu tempo e concentração. E principalmente, arrume algo que seja interessante pra você, do contrário não faz efeito nenhum. Tenha um, dois ou três hobbies, não importa. O que importa é você fazer alguma coisa útil com o seu tempo.

Abram as cortinas.

O primeiro “Oi” é sempre muito importante. A gente fica pensando se vamos falá-lo com uma voz calma, ou se vamos falar bem alto ou se falaremos com uma voz tímida, fina e baixa. O primeiro “Oi” de uma blogueira devia ser mais fácil, são só duas letras numa página da internet. Oi. Meu dia a dia é meio conturbado, o estudo, o trabalho, os amigos, a família tomam bastante tempo. Mas aqui eu vou falar do resto, meu resto de coisas legais que eu vejo por aí.

Bem vindos ao Teoricamente Louca, “não entre em pânico”, “que a sorte esteja sempre ao seu favor”, “draco dormiens nunquam titillandus” e aproveitem. O que acontece na cabeça do ser humano, principalmente na cabeça de uma jovem de 17 anos é sempre interessante de algum jeito.